Brazil: The Ground Shakes in the Country of Inequalities and Paradoxes




Brazil: The Ground Shakes in the Country of Inequalities and Paradoxes by Luiz E. Soares

Rebellion in the streets, social media, and progress.

July 1st, 2013 reset - +

This article was translated from Spanish by LARB Contributing Editor Magdalena Edwards.  Image: Wikimedia Commons/Agencia Brasil

TONIGHT, Sunday, June 30, 2013, ends in an epic way for Brazilians: Brazil won the Confederation Cup, beating Spain 3-0, and the approval rating of the country’s president fell by 27 points in two weeks, from 57 percent to 30 percent, suddenly making the 2014 presidential elections unpredictable. Everything that was solid is falling apart: what seemed to be the invincibility of the Spanish team, and of our President Dilma Rousseff; the country’s social and economic success; and what had been the general apathy towards national politics. An analysis of the surprising soccer match is beyond my competence, but I believe I can offer some reflections on the meteoric decline in the popularity of the president and all public authorities, as well as describe what has happened in the last 15 days.

Brazilian society is going through the most important mobilization in its history, the first one convoked through social media, in an entirely spontaneous way, which is to say devoid of leadership, centralized organization, partisan ties, or even a uniform agenda. The population has gone to the streets to protest, in both the large urban centers and the small cities of the interior. And this is occurring, paradoxically, at the same time that global public opinion contemplates, with curiosity, this country that is 85 percent urban with almost 200 million inhabitants, that became the sixth-largest world economy, that navigated the international financial crisis while maintaining full employment numbers, with continued growth (which remains modest), reduction of inequality, and the record approval of two presidents: Luiz Inácio Lula da Silva (an ex-labor leader) and, until 15 days ago, his successor Dilma Rousseff (an ex-political prisoner tortured during the military dictatorship in the 1960s-70s), both from the Workers Party (PT), a group with leftist origins that today is social-democrat.

I. Progress as a condition for rebellion

The series of startling events began with a movement against increasing public transportation costs in São Paulo. Until then, everything seemed business as usual, under the conservative media’s fire, with arrogant declarations made by the right-wing governor and the left-wing mayor, who both refused to even negotiate a reduction in transport fares. The scene was typical and the unfolding events were predictable. At that juncture, the protests seemed to be waning and likely to remain local. But on the second day of the protests, the military police in São Paulo offered its invaluable contribution to the country’s history, acting with criminal brutality, including against journalists. It was enough to ignite Brazil’s collective spirit. Within a few days the fare increases had been revoked, but the inflamed masses did not retreat.

The population’s first responses upset everything that was presumed known about the country’s relationship with itself: hundreds of thousands of people, principally (but not exclusively) young people of different social classes, held up protest signs all over the country. In Rio, the biggest demonstration of the many that took place brought together 300,000 people, according to the police. Others, including myself, estimated that there were at least one million people. The most extraordinary thing, meanwhile, is not the scale itself, even though it is staggering, but its rapid spread throughout all regions.

The starting point is justified: in Rio and São Paulo, workers spend up to four hours each day making their way across urban spaces jammed with cars, whose number has multiplied due to the growth of the middle class by 40,000 Brazilians over the last decade. This crisis in urban mobility is the unanticipated and contradictory result of a decrease in inequality together with rapid growth — one of whose focal points has been the auto industry. In addition, more consumers, more access to education, and the citizenry’s increased cultural appreciation create a new context, specifically in the spheres of affect and willingness to participate. In other words, improvements have combined in such a way that certain situations, which in the past would have been tolerated passively, have become unacceptable. That apparent paradox is not new: Alexis de Tocqueville in the 19th century taught us that the social groups most willing to act and react are not the most poor and powerless, but rather those that have something to lose. This means that the social improvements during Brazil’s last two decades (especially the last 10 years) have broadened the slice of the population potentially willing to resist if faced with losing. Those who have risen will not surrender their gains without a fight.

What gains, exactly, am I referring to?

II. Recent Gains for Brazilian Society

If you apply the Gini coefficient to measure income inequality, in 2011, Brazil achieved the lowest level of inequality since 1960, the first year this measurement was used. Between 1960 and 1990, inequality grew from 0.5367 to 0.6091. From that point it decreased until 2010, when it reached 0.5304. It continued to fall in 2011, when it reached the lowest number ever, 0.527. Even though the inequality coefficient was at its lowest ever two years ago, Brazil continues to be one of the 12 most unequal countries in the world. Yet luckily, a steady trend is beginning to reverse the inequality statistic at a considerable rate.

In the first decade of the 21st century, the compound annual growth rate in income for the wealthiest 10 percent of Brazilians was 10.03 percent while for the poorest 50 percent it was 67.93 percent. Ricardo Paes de Barros [director of social policy and research at the National Institute for Applied Economic Research (IPEA) in Brazil] points out that the 10 percent poorest obtained an increase in income per capita of about 7 percent per year, between 2001 and 2009, only a little lower than the celebrated average growth in per capita income in China.

Paes de Barros estimates that few countries could achieve an outcome comparable to Brazil’s decrease of income inequality between 1999 and 2009. The 10 percent wealthiest Brazilians held 47 percent of national income, and that decreased to 43 percent, while the 50 percent poorest had 12.65 percent of total income in 1999 and went on to earn 15 percent by 2009. 

The most obvious and impactful fact is the following: in 1993, the year before the implementation of the Plano Real (effective in controlling inflation), 23 percent of Brazil’s people lived in extreme poverty, in other words, they did not have access to the income necessary to consume the minimum number of calories required for healthy survival. The Plano Real transformed that devastating scene in one year: in 1995 — the first year of President Fernando Henrique Cardoso’s first term — the percentage of the population in extreme poverty decreased to 17 percent. In 2003, the percentage of people in extreme poverty remained the same. In 2009 it fell to 8.4 percent. A number still excessively high and unacceptable, but also much lower than in the beginning of the 1990s.

In 1993, there were 51 million Brazilians with a monthly household income below R$752 (2011 value). In 2001, there were 46 million. In 2011, this population decreased to 24 million. Those whose monthly household income remained between R$751 and R$1,200 in 1993 numbered 41 million. That group fell to 38 million in 2011. On the other hand, Brazilians whose household income was between R$1,200 and R$5,147 numbered 45 million in 1993. In 2011, that figure more than doubled, reaching 105 million. Note that during the 18 years in question (1993 to 2011), Brazil’s population grew at a slower rate. The accelerated growth, seen in the 1940s (when the average birth rate was 2.39) and the 1950s (when it reached 2.99), fell in the 1990s (to 1.64) and even further (to 1.17) in the first decade of the 21st century.

When the dynamics of demography are taken into account, the meaning behind the worthy process of decreasing inequality is more effectively revealed. These figures encourage Marcelo Neri [economist and former president of the IPEA] to affirm the following: “39.6 million Brazilians entered the tier of the so-called new middle class (class C) between 2003 and 2011 (59.8 million since 1993).”

 

III. The movement’s plural agenda and the collapse of political representation

The movement’s agenda is not uniform, and each participant holds up his small sign with a proposal, a criticism, a demand, in formal language or with humor, whether it is against homophobia or the technocratic authoritarianism of governments. Meanwhile, in spite of the immense thematic spectrum, some topics are constants: public transportation, urban mobility, corruption, police brutality, unequal access to justice, more resources for education and health, and fewer resources for building lavish stadiums for the 2014 World Cup or the 2016 Rio Olympics. In this way, the price of transportation merely put a metonymic chain into circulation in Brazil’s individual and collective imaginary, connecting the most diverse contemporary national issues. And each individual felt called to include, in this epic narrative, their own description of what they find to be the fundamental and urgent drama. Note that the legitimacy of the federal government was never seriously questioned.

The common axis, however, underlying these diverse revindications, is an indignant proclamation of the collapse of political representation. In brief, the protestors have lost faith with parties and politicians who renew their mandates in the voting market without realizing that a mere respect for the rules of the game is not enough to keep democracy on its feet. Since the promulgation of the 1988 Constitution, after 21 years of military dictatorship followed by three hybrid years, Brazil is a democratic state under the rule of law. But democratic institutionalization came to be seen by the majority of society as a hollow shell, a form without content, taken over by unscrupulous political agents. The formal endorsement of parliamentarians and rulers by elections, in a country where voting is obligatory, does not guarantee legitimacy from society’s point of view. The breakdown of political representation has been occurring without the country’s leadership, giving signs of understanding the magnitude of the abyss that could open up — and deepen, swiftly — between political institutionalism and the feeling of the majority. What will they do now?

The mark of the movement is its intensity. The protests occur in the language of excess: lots of people, all day long, every theme and topic — and there is always the exalted and violent minority that defaces public property. In the phenomena’s fringes, a few professional crooks and thieves go along for the ride, as well as those who enjoy destroying things for no reason. Why the passion and intensity? I will attempt a hypothesis: the linked political problems and symbolic bonds, as I explained, are interrelated, accentuating one permanent feature: inequality. And this happens in an institutional and normative context, the democratic state under the rule of law, where equality is the declared and reiterated principle. For this reason, negative significations become aggravated, accentuating the emotional intensity in which they are experienced and communicated: anything that condones inequality stands out because it strongly contradicts the expectations created by the constitutional pact. In the end, is the dialogue about citizenship worth it or not?

 

IV. Persistent historic inequities

Despite the very significant reduction in inequality, it persists in many forms. Just as violence and police brutality against the poor and blacks persist.

The outrageous inequality between blacks and whites has been decreasing, but it endures, revealing Brazil’s structural racism. Between 1950 and 1980, whites lived 7.5 years longer on average than blacks and mulattos — classifications used at that time. In 1980, the life expectancy of blacks remained at 59 years. In 1987 the white population lived on average until the age of 72, while the life expectancy of blacks was 64.5. Another lurid confirmation: in 1980 the infant mortality of blacks and mulattos was the same as the infant mortality of whites in 1960: 105 out of every 1000 live births. Skin color, which means nothing according to those who believe in the myth of Brazil’s racial democracy, separated blacks and mulattos — by 20 years — from the social advances achieved by the white population, advances that would be impossible without the labor of the non-whites.

Marcelo Neri offers revealing data about three phenomena whose historical significance, in my view, are profound. First, the demographic effect of the social construction of Brazilian identity: the portion of society that defines itself as black is growing dramatically. If you compare the last two censuses executed by Brazilian Institute of Geography and Statistics, 2000 and 2010, the number of blacks in Brazil’s population increased by 22.6 percent. In my mind, the main reason is the growing political consciousness of Afro-descendants, who increasingly acknowledge their color and what it means with pride.

The second phenomenon studied by Neri is the ostentatious and shocking inequality:

The probability that a person who calls herself white is poor is 49 percent less likely than someone black and 56 percent less likely than a mulatto. [. . .] Even when we compare people with the same characteristics, expect for race, for example: an illiterate middle-aged woman who lives in a favela in Salvador, if she is white, is 29.4 percent less likely to be poor than if she is non-white.

Before Neri, the 2010 census made clear the color of economic inequality, indicating that 70 percent of extremely poor Brazilians are black.

I can add other alarming figures regarding violence, public safety institutions, and the criminal justice system. The “Mapa da Violência,” published in 2011, reveals that in 2002 to 2008, the number of blacks who had been murdered grew by 20.2 percent, while the number of white victims of the same crime decreased by 22.3 percent. There is no doubt that blacks and the poor are the main victims of the worst crime, premeditated murder, just as they are the main victims of lethal policy brutality and illegal searches.

Number three, good news: “Between 2001 and 2009 income growth occurred 44.6 percent among blacks, 48.2 percent among mulattos, and 21.6 percent among whites.” These figures combined with the growth of the black percentage of the population, and the extremely important arrival of a great number of blacks to college, thanks to affirmative and distributive policies such as the Programa Universidade para Todos (Prouni) and loans for blacks, has created a new stage that justifies positive expectations for the future of the meaningful democratization of Brazilian society. According to data released by IPEA in its Boletim Políticas Públicas: acompanhamento e análise (número 19), the net rate of student enrollment among 18 to 24-year-olds grew more than five-fold between 1992 and 2009. While in 1992 only 1.5 percent of young blacks entered university, in 2009 8.3 percent pursued higher education. In that period, the net rate of enrollment of young whites jumped from 7.2 percent to 21.3 percent, and the contingent of black students grew from 20.8 percent of the total white group in 1992 to 38.9 percent in 2009.

 

V. Protagonists in the global narrative: from invisibility to the fight for recognition

Another decisive aspect is access to the internet: in 2011, 115,433,000 Brazilians 10 years of age or older owned a cell phone (in 2005, a little less than half, 56,105,000 Brazilians, had cell phones) and 78,672,000 surfed the web. The growing participation in social networks made the protests viable, which then began to depend on the media itself. In addition, it has allowed Brazilians to identify themselves and put in practice the global model of taking over public spaces as a kind of direct democracy or political action not mediated by institutions, parties, or representatives. The model recalls the classic idea of direct democracy as the ideal, while not achieving it entirely. Once begun, the mediations never cease to occur, connecting different institutionalized processes to the energy of the masses in the public squares. What matters in this dramatic scene are idealized memory and common language, as if these events were cited mutually, thus creating a virtual constellation of hypertexts. In this scene, the following becomes possible: to include itself in the transnational narrative about new democracy; pride for those who felt disrespected and invisible before public power; the identification with the civic hero’s persona; group political experiences become cult entertainment for the anti-political (even if it involves the risk of death); a fraternal and gregarious experience (before an enemy that is so abstract and ghostlike while being obvious and immediate, with the face of a police officer and a sense of tragedy); the experience that fills one’s heart with joy, exalting the emotions and elevating them to an almost spiritual level.  

The people have been watching, these past two weeks, the Confederation Cup, the international soccer competition that precedes the World Cup by one year, in a number of Brazilian cities. This is the national sport and passion. Billions of reais were spent by the government without consulting the people. The stadiums, built with government funding, have been inaugurated and are of impressive quality. But public health and education continue to be underfunded by public policies. In addition, the high prices of the tickets exclude the majority of soccer fans. In sum, the popular sport, after billions spent autocratically by the government, revealed the adoption of priorities incompatible with social needs and thus implied a rejection of popular participation. Now, amidst the protests, the people signed up for the great national narrative, dislocated the space where significant events occur, and became a main character and changed the game.

 

VI. Effects produced by the coopting of the PT (the great popular party) and social movements

Why the explosion of protests at this moment? The prestigious executive, in the context of economic dynamism, full employment, and reduction of inequality under Lula’s charismatic aura between 2003 and 2010, put the breaks on the state’s wastefulness, already in an advanced parliamentary phase. When the economic model begins to give signs that it is limping, the corrosion contaminates the legitimacy (and credibility) of all areas of the state.

If the economy moves along reasonably well, despite the problems — such as the tiny rate of growth (we are expecting maximum 2.6 percent in 2013), inflationary spikes or chronic deficiencies in the infrastructure — because deceleration has not yet affected employment or the quality of life of the most vulnerable, why has the bond between the state and society been broken? The answer is simple: because the governing party, the PT, in the past shrouded by an aura of purity and always ready to confront power, has shown itself to be the same as the others, that it can be taken over and is susceptible to corruption. I will explain by returning to the protests.

The majority of protestors are young students. Meanwhile, the absence of the União Nacional dos Estudantes (UNE), a group that has participated with distinction in all the important moments of Brazil’s political history in the last few decades, has been surprising and symptomatic. The UNE was coopted by the federal government from the time the PT came to power — during Lula de Silva’s two terms and Dilma Rousseff’s current administration. The new collective character, the mass of students in the streets, was born from the spoils of that entity. Nor have many other collective figures in our democratic and popular political theater been present. Many of them traded their autonomy for the benefits of power, without knowing that being coopted is sterilizing.  The price of these privileges is impotence. They received official funding and support, but they lost the trust of their base constituents and their ties to civil society. In the same manner, the most important Brazilian popular party lost the streets.

The country owes much to the PT it defeated. Lula’s and Dilma’s governments will go down in history as fundamental milestones in the reduction of inequality. Given everything, what were their contributions to the bettering of Brazilian democracy and to the changes in the relationships between the state and society, governments and social movements?

Can Dilma and her administration, as other PT governments have done, show off their technocratic arrogance and embrace their adversaries, under duress and just prior to being accused of corruption, because the ends always justify the means? The PT apologists who operate according to infinite pragmatism did not realize that the means are the ends when the perspective in question is society’s trust in the state, especially the credibility of the institution of representation. Today, so many who believed in the dignity of politics wander without direction like ghosts of disillusion. And the youth find a path to call their own — it’s been 10 years with the PT in power, and a generation never knew it as an opposition party and does not know that it was once a great party of the people, not coopted, but committed to popular and democratic causes. As much as we can make pertinent critiques of the party’s present shape, its importance in transmitting past experiences and in forming present day militancy are unquestionable. Even the language of the people in the street has the PT’s grammar. The spontaneity and the energy, and organization would further stimulate and channel it.

In this moment, when a new kind of protagonist emerges, one with an understandable and dangerous repulsion for everything that smells like the PT party, let us sit with the oceanic void created by the emptying of the PT as an independent political agent, an emptying provoked by the super-positioning of state, government, and party. 

 

VII. Speculations about the future and the conflict of interpretations

And the future? The omnibus movement has the most varied possibilities ahead of itself, and even more that it can create. Its destiny will probably depend on its ability to differentiate political criticism and criticism of politics, and not to confuse a rejection of the present political-electoral system and party with a refusal of democracy itself, in any form. These distinctions will provoke profound and irreconcilable internal divisions, and they are already emerging. Will all of that magnificent energy simply flow down the drain of skepticism, opening one more cycle of apathy? Will indignation be translated into authoritarian and ultraconservative dialects? Will a multitude of affluent types continue to pursue unprecedented paths, surprising us with their creativity and changing the country in the democratic sphere? The answers do not depend solely on the movement, but also on those who have not participated and on governmental and parliamentary leaders.

Faced with a massive and unprecedented phenomenon, journalists, politicians, and intellectuals are perplexed. In the first days, they sought explanations, but attested to the insufficiencies of the old analytical models. Applying these on the new object, we can only identify what the movement is missing, that which it is not: not organized, without leadership, without defined goals, without a unified agenda, without institutional connections, without political ties, without a plan of action. What, then, is it? How to describe its positivity? That is the greatest challenge.

In the next few weeks, it is possible that the initial energy will not be sustained, the people will grow tired, and the movement will break up into innumerable groups centered on many different demands. In that case, the discussion will move to the field of interpretation. The phenomenon will have been what we said it was. The interpreters will become the protagonists of the conflict, deciding on how and what to assign meaning. All attempts to understand, all interpretation as well as intervention, is a social and political action.

I was getting ready to send this essay to the editor when Rousseff convened all 27 governors and mayors of the capitals, on live television, to announce a proposal for making a new national contract, centering on the big topics evoked by popular demand: public education, urban mobility, the control over public spending and corruption, and a plebiscite for political reform. With respect to reforming the police and demilitarizing the military police, not a word. In any case, a new chapter begins. The horizon remains unforeseeable and troubled. None of what I said above is changed by the president’s intervention. Meanwhile, a new fact emerged on the scene: the president intends to battle with the streets for the role of leading protagonist, or, at least, reconnect herself to society, leaving the onus on the parliament and the parties. Next year, she will run for reelection.

The president’s move might have been too late. Her victory, until two weeks ago, seemed a given. Today, anyone who speaks about the future with more certainty than doubt does not deserve to be heard. The concrete proof that the political tsunami is having a deep impact, with consequences that nobody is able to anticipate at present, is the previously mentioned government approval rating, and the new distribution of intended votes for the 2014 election. According to the DataFolha polling institute, the president would receive 30 percent of the votes today (she had 51 percent three weeks ago), against 23 percent for Mariana Silva, the leader of the environmentalists (she had 7 percent). Other candidates also gained votes and entered the heat, though in inferior positions. Few doubt that the PT is hatching a new plan: Rousseff drops out of the race for reelection in 2014, and ex-president Lula de Silva, who already served two terms and maintains 46 percent of intended votes, runs for a third time, which is legally possible in Brazil. But let’s not delude ourselves: creative plans will be conceived every day while the streets boil, melting certainties and bringing the creative freedom of collective human agency back to history’s stage.

 

Sources: 

Gini coefficient: Neri, Marcelo. A Nova classe media. São Paulo: Saraiva, 2011: 26; PNAD – Pesquisa Nacional por Amostra Domiciliar, by IBGE, Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística.

Income growth: Paes de Barro cited by Rafael Cariello in “O liberal contra a miséria” in Revista Piauí, number 74, November 2012: 30. Neri, op.cit., 27.

Population: Elza Berquó. “Evolução demográfica” in Ignacy Sachs, Jorge Wilheim and Paulo Sérgio Pinheiro, eds. Brasil, um século de tranformações. SP: Cia das Letras, 2001:17).

Racial Inequality: Wood, C.H. & Webster, P.L. Racial inequality and child mortality in Brazil. Mimeo: 1987, APUD; Berquó, op.cit., 27; Garcia Tamburo, E.M., “Mortalidade infantile da população negra brasileira,” Texto NEPO 11, Campinas, NEPO/UNICAMP, 1987, APUD.

Violence: Silvia Ramos and Leonarda Musumeci. Elemento supeito. RJ: Civilização Brasileira, 2005

College attendance: www.ipea.gov.br/igualdaderacial

 

 

ORIGINAL PORTUGUESE

 

A terra treme no país de desigualdades e paradoxos

Luiz E. Soares

 

A noite de domingo ,30 de junho de 2013, termina em tom épico para os brasileiros: a seleção de futebol conquistou a copa das confederações, vencendo a Espanha por 3 X 0, e a aprovação da presidente da República caiu 27 pontos em duas semanas, de 57% para 30%, tornando imprevisíveis as eleições de 2014. Tudo o que era sólido está se desmanchando no ar: por um lado, a invencibilidade da seleção espanhola e da presidente Dilma Rousseff, e, por outro, o êxito econômico e social do país e a apatia política nacional. A análise do inesperado resultado no futebol está acima de minha competência, mas acredito poder sugerir algumas reflexões sobre o declínio meteórico da popularidade da presidente e de todas as autoridades públicas, descrevendo o que ocorreu nos últimos 15 dias.

A sociedade brasileira está vivendo a maior mobilização de sua história. A primeira convocada por meio de redes sociais virtuais, inteiramente espontânea, isto é, desprovida de lideranças, organização centralizada, vínculos partidários ou mesmo de uma agenda uniforme. A população tem ido às ruas protestar, nos grandes centros urbanos e nas pequenas cidades do interior. E isso acontece, paradoxalmente, no momento em que a opinião pública global contempla com curiosidade este país 85% urbano, de quase 200 milhões de habitantes, que se tornou a sexta economia do mundo, atravessou a crise financeira internacional mantendo indicadores de pleno emprego, crescimento (ainda que modesto), redução de desigualdades e aprovação recorde dos presidentes Lula da Silva (ex-líder sindical) e, até 15 dias atrás, Dilma Rousseff, sua sucessora (ex-presa política, torturada pela ditadura militar nos anos 1960 e 1970), ambos do Partido dos Trabalhadores (PT), uma agremiação de origem esquerdista, hoje social-democrata.

I. Progresso como condição da revolta

A série de eventos surpreendentes começou com o movimento pela redução do preço do transporte público, em São Paulo. Até aí, tudo parecia relativamente rotineiro, sob a crítica da mídia conservadora, ao som de declarações arrogantes do governador direitista e do prefeito esquerdista, que se recusavam a sequer negociar a redução das tarifas. O cenário era típico e os desdobramentos, previsíveis. A conjuntura apontava para o declínio das manifestações, que provavelmente permaneceriam locais. Contudo, no segundo dia de manifestações, a polícia militar paulista deu sua inestimável contribuição à história do país, agindo com brutalidade criminosa, inclusive contra jornalistas. Era o bastante para incendiar a alma dos brasileiros. Em poucos dias os aumentos nas tarifas foram revogados, mas a massa inflamada não recuou.

As primeiras respostas da população jogaram por terra tudo o que se supunha saber sobre a relação do país consigo mesmo: centenas de milhares de pessoas, principalmente (mas não exclusivamente) jovens, de diferentes classes sociais, aderiram a passeatas, em todo o país. No Rio, a maior manifestação, entre tantas que se sucederam, reuniu, segundo a polícia, 300 mil pessoas. Outros, entre os quais me incluo, avaliam que havia ali pelo menos um milhão de pessoas. O mais extraordinário, entretanto, não é propriamente a escala, ainda que seja assombrosa, mas sua rápida difusão por todas as regiões.

O ponto de partida justifica-se: no Rio e em São Paulo, trabalhadores gastam até quatro horas por dia deslocando-se em espaços urbanos entupidos de automóveis, cujo número multiplicou-se em razão do ingresso de 40 milhões de brasileiros na classe média, ao longo da última década. O efeito não-antecipado e contraditório da combinação entre redução das desigualdades e desenvolvimento acelerado –um de cujos focos tendo sido a indústria automobilística-- foi a crise na mobilidade urbana. Além disso, mais consumidores, mais acesso à educação e a valorização cultural da cidadania produziram um contexto novo, na esfera dos sentimentos e da disposição participativa. Ou seja, melhorias combinaram-se para tornar inaceitáveis situações que, em condições anteriores, caso existissem, seriam toleradas, passivamente. Esse aparente paradoxo não é novo: Alexis de Tocqueville, no século XIX, nos ensinou que os grupos sociais mais dispostos a agir e reagir não são os mais pobres e impotentes, mas aqueles que têm o que perder. Isso significa que os avanços sociais das últimas duas décadas (sobretudo da última) no Brasil ampliaram a faixa da população potencialmente disposta a resistir ante o risco de perda. Aqueles que ascenderam não entregarão sem luta suas conquistas.

A que conquistas, exatamente, me refiro?

II. Conquistas recentes da sociedade brasileira

Aplicando-se o índice de Gini para medir a desigualdade de renda, conclui-se que em 2011 o Brasil alcançou o nível mais baixo desde 1960, ano em que pela primeira vez realizou-se o cálculo. Entre 1960 e 1990, a desigualdade cresceu de 0,5367 para 0,6091. Desde então decresceu até 2010, quando atingiu 0,5304 (Neri, Marcelo. A Nova classe média. São Paulo: Saraiva, 2011: 26), e continuou caindo: o índice de 0,527, em 2011 (segundo a PNAD –Pesquisa Nacional por Amostra Domiciliar, do IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), foi o menor da série histórica. Mesmo sendo o patamar mais baixo desde quando aplicamos esse método para identificar a desigualdade, o Brasil continua sendo um dos 12 países mais desiguais do mundo. A boa nova é a afirmação de uma tendência que começa a reverter esse quadro e que se realiza em uma escala considerável.

Na primeira década do século XXI,  a taxa acumulada de crescimento da renda para os 10% mais ricos foi de 10,03%, enquanto para os 50% mais pobres foi de 67,93%. Conforme destaca Ricardo Paes de Barros, os 10% mais pobres obtiveram uma elevação de renda per capita em torno de 7% ao ano, entre 2001 e 2009, só um pouco mais baixa que a celebrada média anual de crescimento da renda per capita na China (Paes de Barros citado por Rafael Cariello em “O liberal contra a miséria” in Revista Piauí, número 74, novembro de 2012: 30).

Paes de Barros avalia que dificilmente algum país terá obtido resultado comparável ao que o Brasil alcançou, em matéria de redução de desigualdade de renda, entre 1999 e 2009, ainda que essas mudanças sejam insuficientes: os 10% mais ricos detinham 47% da renda nacional e passaram a controlar 43%, enquanto os 50% mais pobres, que possuíam 12,65 da renda total, no começo da série histórica, passaram a receber 15% no final do período (idem; ibidem).

O dado mais ostensivo e impactante é o seguinte: em 1993, ano anterior à implantação do Plano Real (bem sucedido no controle da inflação), 23% da população brasileira vivia em situação de pobreza extrema, ou seja, não tinham acesso a renda que lhes proporcionasse consumir o número mínimo de calorias indispensável à sobrevivência saudável. O Plano Real transformou esse cenário devastador em um ano: em 1995 –primeiro ano do primeiro mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso-- o percentual da população submetido a essas condições desumanas decrescera para 17%. Em 2003, o contingente populacional em pobreza extrema ainda era o mesmo. Em 2009, caíra para 8,4%. Uma quantidade ainda excessivamente elevada, inaceitável, mas muito menor do que no começo da última década do século XX.

Em 1993, os brasileiros cuja renda domiciliar ficava abaixo de R$ 752,00 (valor de 2011) eram 51 milhões (51.613.412). Em 2001, eram 46 milhões (46. 896.647). Em 2011, passaram a ser 24 milhões (24,684.517). Aqueles cuja renda domiciliar ficava entre R$ 751,00 e R$ 1.200,00, eram, em 1993, 41 milhões (41.255.368). Esse grupo diminuiu para 38 milhões (38.907.544), no ano de 2011. Por outro lado, os brasileiros cuja renda domiciliar se situava entre R$ 1.200,00 e R$ 5.174,00 eram 45 milhões (45.646.118), no ano de 1993. Em 2011, o segmento mais do que dobrou, chegando a 105 milhões (105.468.908).

Registre-se que nesse período de 18 anos a população brasileira cresceu a um ritmo mais lento. O crescimento acelerado verificado nas décadas de 1940 (quando a taxa média foi 2,39) e de 1950 (quando alcançou 2,99), reduziu-se nos anos 1990 (para 1,64) e ainda mais (para 1,17) na primeira década do século XXI. (cf. Elza Berquó. “Evolução demográfica” in Ignacy Sachs, Jorge Wilheim e Paulo Sérgio Pinheiro [org]. Brasil, um século de transformações. SP: Cia das Letras, 2001: 17).

O processo virtuoso de declínio de desigualdades revela melhor sua significação quando se leva em conta a dinâmica demográfica.  São esses dados que conduzirão Marcelo Neri a afirmar que “39,6 milhões de brasileiros ingressaram nas fileiras da chamada nova classe média (classe C) entre 2003 e 2011 (59,8 milhões desde 1993)” (Neri, op.cit: 27).

III. A agenda plural do movimento e o colapso da representação política

A agenda do movimento não é uniforme e cada participante ergue seu pequeno cartaz com uma proposta, uma crítica, uma exigência, em linguagem formal ou bem humorada, seja contra a homofobia ou o autoritarismo tecnocrático dos governos. Entretanto, a despeito da imensa dispersão temática, alguns tópicos são constantes: transportes públicos, mobilidade urbana, corrupção, brutalidade policial, desigualdade no acesso à Justiça, mais recursos para educação e saúde, e menos para a construção de estádios suntuosos para a Copa do Mundo de futebol, em 2014, e para os jogos Olímpicos, que ocorrerão no Rio, em 2016. Portanto, o valor do transporte apenas pôs em circulação uma cadeia metonímica no imaginário individual e coletivo, conectando os mais diferentes problemas nacionais contemporâneos. E cada indivíduo sentiu-se estimulado a incluir, nessa longa narrativa épica, sua própria descrição do que lhe parece ser o drama fundamental e urgente. Registre-se que a legitimidade do governo federal nunca foi seriamente questionada.

O eixo comum, sob a diversidade de  reivindicações, é a proclamação indignada do colapso da representação política. Em poucas palavras, os manifestantes não acreditam em partidos e políticos que renovam seus mandatos no mercado de votos, sem perceber que o mero respeito às regras do jogo não é suficiente para manter a democracia de pé. Há no Brasil o Estado democrático de direito, desde a promulgação da Constituição, em 1988, depois de 21 anos de ditadura militar, seguidos por três anos híbridos. Mas a institucionalidade democrática passou a ser vista pela maior parte da sociedade como um carcaça oca, uma forma sem conteúdo, tomada por agentes políticos inescrupulosos. O endosso formal a parlamentares e governantes pelo voto, em um país onde é obrigatório votar, não garante legitimidade, do ponto de vista da percepção social. A ruína da representação vinha ocorrendo sem que as lideranças dessem mostras de compreender a magnitude do abismo que se abrira --e aprofundava-se, celeremente-- entre a institucionalidade política e o sentimento da maioria. O que farão, agora?

A marca do movimento é a intensidade. Os protestos se realizam na linguagem dos excessos: muita gente, todo dia, todos os temas --e sempre há a minoria exaltada e violenta que depreda prédios públicos. Nesta franja do fenômeno pegam carona alguns profissionais do furto e do roubo, e os que se divertem destruindo sem propósito. Por que a paixão e a intensidade? Ouso uma hipótese: os elos de contiguidade simbólica e política conectam problemas entre si, conforme expliquei, acentuando sua característica permanente: a desigualdade. E o fazem em um contexto normativo e institucional, o Estado democrático de direito, no qual o princípio enunciado e reiterado é a equidade. Por isso, os significados negativos se agravam, acentuando a intensidade emocional em que são apreendidos e comunicados: eles se destacam porque remetem à desigualdade, a qual contrasta fortemente com as expectativas geradas pelo pacto constitucional. Afinal, a conversa sobre cidadania é ou não para valer?

***

IV. As persistentes inquidades históricas

Apesar de tão significativa redução de desigualdades, elas persistem, sob as mais diferentes formas. Assim como persiste a violência e a brutalidade policial letal contra os pobres e os negros.

A ultrajante desigualdade entre negros e brancos vem diminuindo, mas persiste, exibindo o racismo estrutural brasileiro. Entre 1950 e 1980, os brancos viveram 7,5 anos a mais que os pretos e pardos --classificação usada à época (Wood, C.H. & Webster, P.L. Racial inequality and child mortality in Brazil. Mimeo: 1987, APUD Berquó, op.cit.: 27). Em 1980, a expectativa de vida dos negros ainda não passava de 59 anos. Em 1987, a população branca vivia, em média, 72 anos, enquanto os negros viviam 64,5 anos (idem; ibidem). Outro dado escabroso confirma os precedentes: em 1980, a taxa de mortalidade infantil de pretos e pardos era igual à taxa de mortalidade de crianças brancas menores de um ano, em 1960: 105 a cada mil nascidas vivas (Garcia Tamburo, E.M. “Mortalidade infantil da população negra brasileira”. Texto NEPO 11, Campinas, NEPO/UNICAMP, 1987, APUD Berquó, op.cit.). A cor da pele, que nada significa segundo os que crêem no mito da democracia racial brasileira, separava em 20 anos os pretos e pardos dos avanços sociais alcançados pela população branca, avanços que seriam impossíveis sem o trabalho dos não-brancos.

Marcelo Neri oferece dados esclarecedores sobre três fenômenos cujos significados históricos, a meu ver, são profundos. Em primeiro lugar, o efeito demográfico da construção cidadã da identidade social: a parcela da sociedade que se declara negra vem crescendo expressivamente. Comparando-se os dois últimos Censos do IBGE, 2000 e 2010, aumentou em 22,6% a partipação de negros na população brasileira (Neri, op.cit: 226). A meu juízo, o principal motivo é a expansão da consciência política dos afro-descendentes, que cada vez mais assumem com orgulho sua cor e o que ela significa.

O segundo fenômeno estudado por Marcelo Neri são as ostensivas e chocantes desigualdades: “A probabilidade de uma pessoa que se diz branca ser pobre é 49% menor que de um negro e 56% menor que de um pardo. (…) Mesmo quando comparamos pessoas com os mesmos atributos, exceto raça, digamos, analfabeta de meia idade, que mora numa favela de Salvador, a probabilidade de uma branca ser pobre é 29,4% menor do que uma não branca” (op.cit.: 227). Antes de Neri, o Censo de 2010 deixara evidente a cor da desigualdade econômica, indicando que 70% dos brasileiros extremamente pobres são negros.

Posso acrescentar outros dados alarmantes relativos a violência, às instituições de segurança pública e ao sistema de Justiça penal. O “Mapa da Violência”, publicado em 2011[1], revela que, de 2002 a 2008, o número de negros assassinados elevou-se em 20,2%, enquanto diminuiu, em 22,3%, o número de brancos vítimas do mesmo tipo de crime. Não há dúvida de que negros e pobres são as principais vítimas do crime mais grave, o homicídio doloso. Assim como são as principais vítimas da brutalidade policial letal e das abordagens ilegais (Silvia Ramos e Leonarda Musumeci. Elemento suspeito. RJ: Civilização Brasileira, 2005).

Em terceiro lugar, a boa notícia: “Entre 2001 e 2009 o crescimento de renda foi 44,6% dos pretos, 48,2% dos pardos contra 21,6% dos brancos” (Neri, op.cit.: 226). Esse dado combinado ao aumento da participação de negros na população e à importantíssima chegada de negros em grande número à universidade, graças a políticas afirmativas e distributivas, como o Programa Universidade para Todos (Pro-Uni) e as cotas para negros, cria um novo cenário que justifica expectativas positivas relativamente ao futuro da democratização substantiva da sociedade brasileira. De acordo com dados divulgados pelo IPEA, em seu Boletim Políticas Públicas: acompanhamento e análise, número 19, a taxa líquida de matrícula de estudantes na faixa etária entre 18 e 24 anos[2] cresceu mais de cinco vezes de 1992 a 2009. Enquanto em 1992 somente 1,5% dos jovens negros ingressaram na universidade, em 2009, 8,3% lograram cursar o ensino superior. Nesse período, a taxa líquida de matrículas dos jovens brancos saltou de 7,2% para 21,3%, mas o contingente de estudantes negros que não era mais que 20,8% do segmento branco, em 1992, passou a representar 38,9%, em 2009 (cf. www.ipea.gov.br/igualdaderacial).

V. Protagonistas da narrativa global: da invisibilidade à luta por reconhecimento

Outro aspecto decisivo é o acesso à internet: em 2011, 115 milhões e 433 mil brasileiros, com 10 anos de idade ou mais, possuíam telefone celular (eram 56 milhões, 104 mil e 605, em 2005) e 77 milhões 672 mil navegavam na internet. A participação em redes ampliou-se e viabilizou as manifestações, que passou a dispor de mídia própria. Ademais, permitiu aos brasileiros identificar-se e colocar em prática o modelo globalizado de tomada dos espaços públicos como método de democracia direta, ou de ação política não mediada por instituições, partidos e representantes. Evidentemente, o modelo remete à ideia clássica da democracia direta como tipo ideal, sem cumpri-lo inteiramente, uma vez que as mediações nunca deixam de atuar, conectando diferentes procedimentos institucionalizados à energia da massa nas praças. O que conta, neste cenário dramatúrgico, são a memória idealizada e a linguagem comum, como se os eventos se citassem mutuamente, construindo uma constelação virtual de hipertextos. Neste cenário, tornam-se possíveis: incluir-se na narrativa transnacional sobre a nova democracia; o orgulho de quem era invisível para o poder público e sentia-se desrespeitado; a identificação com a persona do heroi cívico; a política vivida em grupo como entretenimento cult antipolítico (ainda que envolva risco de morte); a experiência gregária fraterna (ante um inimigo tão abstrato e fantasmático quanto óbvio e imediato, com o rosto policial e o sentido da tragédia); a vivência que enche o coração de júbilo, exaltando os sentimentos e os elevando a uma escala quase espiritual.

O povo assiste, atualmente, à Copa das Confederações de futebol, em várias cidades brasileiras, competição internacional que antecede em um ano a Copa do mundo. Este esporte é a paixão nacional. Gastos bilionários foram decididos pelos governos sem consulta popular. Os estádios, construídos com verbas governamentais, foram inaugurados e apresentam qualidade admirável. Mas a saúde pública e a educação continuam relegadas pelas políticas públicas. Além disso, os altos preços dos ingressos excluem a grande maioria dos torcedores.  Em síntese, o esporte popular, depois de custos bilionários assumidos autocraticamente pelos governos, expressaram a adoção de prioridades incompatíveis com as necessidades sociais e implicaram o veto à participação popular. Agora, por meio das manifestações, a massa inscreveu-se na grande narrativa nacional, deslocou o campo em que ocorrem os eventos significativos, converteu-se em protagonista central e mudou o jogo.

VI. Efeitos produzidos pela cooptação do PT (o grande partido popular) e dos movimentos sociais

Por que a explosão de protestos nesse momento? O executivo prestigiado, em contexto de dinamismo econômico, pleno emprego e redução de desigualdades, sob a aura carismática do presidente Lula, entre 2003 e 2010, freiou o desgaste do Estado, já avançado em sua face parlamentar. Quando o modelo econômico começa a dar sinais de que está claudicando, a corrosão contamina a legitimidade (a credibilidade) de todas as áreas do Estado.

Se a economia vai razoavelmente bem, apesar dos problemas --como a taxa diminuta de crescimento (espera-se no máximo 2,6% em 2013), o repique inflacionário e deficiências crônicas na infra-estrutura--, porque a desaceleração ainda não afetou o emprego e as políticas sociais compensatórias e distributivas evitam a degradação das condições de vida dos mais vulneráveis, por que rompeu-se o laço Estado e sociedade? A resposta é simples: porque o partido do governo, o PT, antes cercado por uma aura de pureza e sempre disposto a enfrentar o poder, mostrou-se igual aos demais, isto é, cooptável e suscetível à corrupção. Explico, retornando às manifestações.

A maioria dos manifestantes é jovem e estudante. No entanto, é surpreendente e sintomática a ausência da União Nacional dos Estudantes, entidade que participou com destaque de todos os momentos importantes da história política brasileira das últimas décadas. A UNE foi cooptada pelo governo federal desde que o PT chegou ao poder –com dois mandatos de Lula da Silva e um, em curso, de Dilma Rousseff. O novo personagem coletivo, a massa de jovens nas ruas, nasceu sobre os despojos da entidade. Tampouco têm estado presentes tantos outros personagens coletivos de nossa dramaturgia política popular e democrática. Muitos deles trocaram a autonomia pelas benesses do poder, sem perceber que a cooptação esteriliza. O preço dos privilégios é a impotência. Receberam verbas e apoio oficial, mas perderam a confiança das bases e os vínculos com a sociedade civil. Do mesmo modo, o maior partido popular brasileiro perdeu as ruas.

Ao PT que venceu, o país deve muito. Os governos Lula, e mesmo Dilma, ficarão na história como marcos fundamentais na redução das desigualdades. Contudo, quais têm sido suas contribuições para o aprimoramento da democracia e para a mudança das relações entre Estado e sociedade, governos e movimentos sociais?

Pode-se, como têm feito os governantes petistas, ostentar a arrogância tecnocrática e abraçar os adversários, antes hostilizados e acusados de corrupção, porque os fins sempre justificariam os meios? Os apologistas petistas do pragmatismo ilimitado não se deram conta de que os meios são os fins, quando a perspectiva adotada é a confiança da sociedade no Estado, em especial a credibilidade do instituto da representação. Hoje, tantos que acreditaram na dignidade da política vagam sem norte como zumbis da desilusão. E a juventude procura um caminho para chamar de seu. São dez anos de PT no poder: uma geração não o conheceu na oposição e não sabe o que é um grande partido de massas, não cooptado, comprometido com as causas populares e democráticas. Por mais que se façam críticas pertinentes à forma partido, é indiscutível sua importância na transmissão de experiências acumuladas e na formação da militância. Até a linguagem das massas nas ruas tem sua gramática. A espontaneidade é a energia, mas a organização a potencializa e canaliza.

No momento em que emerge o novo protagonismo, com compreensível mas perigosa repulsa por tudo o que de longe soe a partido, deparamo-nos com o vácuo oceânico produzido pelo esvaziamento do PT como agente político independente, esvaziamento por sua vez provocado pela sobreposição entre Estado, governo e partido.

VII. Especulações sobre o futuro e o conflito de interpretações

E o futuro? O movimento omnibus tem diante de si os mais variados cenários, e outros a inventar. Seu destino provavelmente dependerá de sua capacidade de diferenciar a crítica política da crítica à política, e de não confundir a rejeição ao atual sistema político-eleitoral, e partidário, com uma recusa da própria democracia, em qualquer formato. Essas distinções provocarão divisões internas profundas e inconciliáveis, que já estão aflorando. Toda essa magnífica energia fluirá para o ralo do ceticismo, abrindo mais um ciclo de apatia? A indignação encontrará traduções autoritárias e ultra-conservadoras? Múltiplos afluentes seguirão cursos inauditos, nos supreendendo com sua criatividade e mudando o país, no âmbito da democracia? As respostas não dependem só do movimento, mas também dos que não têm participado e das lideranças governamentais e parlamentares.

Ante o fenômeno massivo e inusitado, jornalistas, políticos e intelectuais estão perplexos. Nos primeiros dias, buscaram explicações, mas constataram a insuficiência dos velhos modelos analíticos. Aplicando-os sobre o novo objeto, eles só permitem identificar o que falta ao movimento, aquilo que ele não é: não organizado, sem liderança, sem metas definidas, sem agenda unificada, sem conexões institucionais, sem vínculos políticos, sem plano de ação. O que, entretanto, ele é? Como descrever sua positividade? Esse é o maior desafio.

Nas próximas semanas, é possível que a energia inicial não seja sustentada, as massas se cansem, o movimento se divida em inúmeros segmentos, em torno de muitas demandas distintas. Nesse caso, a disputa se deslocará para o campo das interpretações. O fenômeno terá sido o que dissermos que ele foi. São os intérpretes que se tornarão protagonistas do conflito em torno das atribuições de sentido. Mesmo porque todo esforço de entendimento, toda interpretação é também intervenção, é também ação social e política.

Eu me preparava para enviar este artigo quando a presidente Dilma Rousseff reuniu todos os 27 governadores e os prefeitos das capitais para, ao vivo pela TV, anunciar uma proposta de repactuação nacional, em torno dos grandes temas, suscitados pelas demandas populares: educação pública, mobilidade urbana, controle de gastos públicos e da corrupção, e um plebiscito para a reforma política. Quanto à reforma das polícias e a desmilitarização das polícias militares, nenhuma palavra. De todo modo, um novo capítulo abre-se. O horizonte permanece imprevisível e conturbado. Nada do que eu disse acima foi revogado pela intervenção presidencial. Entretanto, um dado novo incorporou-se à cena: a presidente pretende disputar o protagonismo com as ruas ou, pelo menos, reconectar-se à sociedade, deixando os ônus com o Parlamento e os partidos. Ano que vem ela disputa a reeleição à presidência.

O movimento da presidenta talvez tenha sido tardio. Sua vitória, até duas semanas atrás, parecia assegurada. Hoje, quem fala sobre o futuro com mais certezas do que dúvidas não merece ser ouvido. A prova concreta de que o tsunami político está exercendo um impacto profundo com consequências que ninguém consegue, hoje, antecipar, foi o resultado, já mencionado, das últimas pesquisas sobre avaliação do governo, e a nova distribuição das intenções de voto na eleição presidencial de 2014. Segundo o instituto DataFolha, a presidente teria, hoje, 30% dos votos (tinha 51% há três semanas), contra 23% de Marina Silva, líder dos ambientalistas (que tinha 7%). Outros candidatos também cresceram e entraram no páreo, ainda que em posições inferiores. Poucos duvidam de que uma nova hipótese esteja sendo cogitada pelo PT: “Rousseff desiste de concorrer à reeleição, em 2014, e o ex-presidente Lula da Silva, que já cumpriu dois mandatos e mantém 46% de intenções de voto, volta a concorrer, o que é legalmente possível no Brasil”. Mas não nos iludamos: hipóteses criativas serão concebidas a cada dia, enquanto as ruas ferverem, derretendo certezas e trazendo de volta ao palco da história a liberdade criativa da agência humana coletiva.

 


[1]  Pesquisa coordenada por Julio Jacobo Waiselfisz, realizada com apoio do Ministério da Justiça.

[2] A taxa líquida de matrícula obtém-se contrastando o número de matriculados com aquele que seria adequado caso se verificasse uma distribuição normal do acesso à universidade entre todos os segmentos da população no grupo de idade pertinente.


print

Comments